A cada dia surgem centenas ou milhares de ideias inovadoras. Tratam-se de novos produtos ou serviços que poderiam — ou não — conquistar o mercado ou até mesmo revolucionar alguns segmentos. Como tirar essa dúvida? Como investir em uma solução viável e com grandes chances de aceitação pelo público? Se você também faz essas perguntas, precisa descobrir o que é MVP e seu papel na viabilização de projetos.

Ficou curioso? Quer entender o que esse conceito significa e quais são os procedimentos para analisar a viabilidade de produtos ou serviços? Então não perca o post de hoje!

O que é MVP?

Trata-se da sigla para Minimum Viable Product ou Produto Minimamente Viável, em português. Recomenda-se que ele esteja entre as primeiras etapas na criação de um empreendimento.

O MVP é um conjunto de testes realizados para avaliar se um negócio ou produto é realmente viável. Ele leva uma versão primária da solução desenvolvida pela empresa a um grupo reduzido de clientes.

O objetivo do MVP é avaliar se, na pratica, a inovação idealizada realmente resolve o problema do consumidor. Além disso, o desenvolvedor terá um feedback a respeito de como o cliente compreende o produto e o avalia.

Portanto, o MVP é um protótipo que será testado pelos consumidores. Caso ele seja rapidamente aprovado e aceito, pode seguir as demais etapas até o lançamento. Outras vezes, este teste aponta a necessidade de correções e aperfeiçoamentos.

O fato é que, ao elaborá-lo, a empresa obtém uma prévia do sucesso e aceitação do produto pelo mercado.

Por que o MVP é importante?

Em um mercado competitivo, as empresas não podem simplesmente lançar produtos sem ter uma ideia de seu potencial de sucesso e aceitação pelo mercado. É fundamental otimizar o uso dos recursos e garantir que o retorno seja o maior possível.

O MVP proporciona uma noção: ele cria uma versão simplificada do produto, coloca à disposição de uma parcela do seu público-alvo, passa por um período de avaliação e mostra se a receptividade do mercado torna o investimento viável ou não.

Portanto, esse feedback prévio do mercado evita que a empresa empregue recursos em projetos inviáveis, com baixa probabilidade de sucesso na comercialização. Algumas organizações tentam diversas versões do MVP antes de lançar uma solução definitiva.

Também é muito importante não atropelar esse processo de validação. É importante que ele seja o mais exato possível para evitar investimentos equivocados.

Quais são as etapas de um MVP?

Quer saber como lançar esse protótipo e testar a viabilidade dos seus projetos no mercado? Então vamos às etapas de um MVP:

Monte uma equipe diversificada

O ideal é que o protótipo seja criado por uma equipe de profissionais que dominam fatores distintos do desenvolvimento de produtos. Eles precisam ser capazes de avaliar os diferentes fatores desse processo:

  • visão de negócios: trata-se de avaliar estrategicamente se o produto é financeiramente viável;
  • design thinking: é preciso pensar na forma como o produto será utilizado e que características ele deve ter para deixar o cliente satisfeito;
  • engenharia do produto: consiste na aplicação de conhecimento técnico para avaliar se o MVP pode ser produzido com facilidade e em escala.

Defina seu produto

A próxima etapa é descrever de fato o produto, seus objetivos e vantagens. Ela é essencial para que toda a equipe trabalhe alinhada, evitando que concepções conflitantes criem um resultado indesejado.

A equipe precisa se sentar e realmente escrever o que o produto é ou não é, o que ele faz ou não faz, bem como os recursos que possui ou não. Outros especialistas chamam esta etapa de definição da proposta de valor, o que também está certo.

Em outras palavras esta etapa definirá:

Quem Qual é o público para quem o produto é dirigido?
O quê Nome do produto e sua definição — é um software? Um aplicativo? Um equipamento?
Por quê Descrição das funcionalidades da ferramenta.
Concorrência Como a atividade é feita atualmente pelos seus atuais produtos ou por seus concorrentes.
Diferenciais Que vantagens o MVP oferecerá em relação a essas opções já descritas.

Crie suas personas

A descrição do seu público-alvo acima foi genérica, mas este é o momento de aprofundar. Crie cerca de três perfis completos — também chamados de personas — que são potenciais consumidores.

Mapeiem um dia completo dessas personas principais, descrevendo suas atividades ao longo do dia. Assim sua equipe vai perceber suas necessidades e identificar as situações em que ela poderia utilizar o produto e como ele a beneficiaria.

Lapide a ideia

A etapa anterior fez com que sua equipe percebesse quais são as dores e necessidades de sua persona. Agora, ela pode desenvolver um protótipo com funcionalidades mínimas, mas essenciais para atendê-las.

A equipe agora vai selecionar, entre todas as sugestões apresentadas anteriormente, as funcionalidades que são prioritárias para a persona e para o negócio. Elas serão o foco para a criação do MVP.

Teste a resposta do mercado

Sabemos que soluções em TI podem apresentar algum problema inesperado e, caso haja muita demanda, isso pode gerar problemas e prejudicar a imagem do produto diante do público.

Por isso, o ideal é realizar um lançamento controlado. O objetivo desta etapa é entender como o mercado compreende sua proposta de valor e a recebe. O feedback também mostra como o produto pode ser melhorado para produzir os resultados desejados.

A equipe deve traçar metas para avaliar essa receptividade. No caso de TI, algumas métricas comuns são a quantidade diária de vezes em que o programa é usado, número de usuários etc.

O que fazer depois do MVP?

O teste mostra se o interesse do mercado naquela solução é compatível com as expectativas dos criadores. A demanda gerada precisa justificar o investimento da empresa no produto final.

Analise os dados e também o feedback que os clientes proporcionam. Interprete essas informações para entender se, de fato, o mercado compreendeu sua proposta de valor e como respondeu ao seu produto.

É possível que você perceba a necessidade de aperfeiçoar o projeto para alinhá-lo às necessidades do consumidor ou realizar novos testes antes de investir. Porém, caso a resposta tenha sido positiva, parta para a ação.

Se você for o responsável pela decisão, invista. Caso ela dependa da aprovação de um C-level, é fundamental reunir os dados obtidos e criar uma apresentação para convencê-lo do potencial do projeto.

Faça um estudo mostrando se a solução atende uma necessidade do seu nicho, tornando-se uma oportunidade para a empresa. Use os dados do seu teste para abordar as chances de aceitação do produto e uma previsão de como ele pode gerar lucros de forma escalável.

Também é válido usar depoimentos de clientes satisfeitos e mostrar outras possibilidades de agregar funcionalidades e tornar o produto ainda mais interessante para seu público-alvo. Enfim, “venda seu peixe” pela perspectiva usando a visão de negócios.

Entendeu o que é MVP e como ele pode ajudá-lo a implantar e agilizar seus projetos em TI? Se ainda não conhecia esse conceito, é provável que muitos de seus contatos não saibam do que se trata, também.

Então que tal compartilhar este post em suas redes sociais e mostrar como eles podem avaliar a viabilidade dos projetos que têm em mente? Aposto que os seus colegas vão gostar!

Escreva um comentário

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.

Share This