Quando um gestor de TI aplica investimentos em tecnologia e implementa uma nova infraestrutura dentro da empresa, geralmente, ele tem que se preocupar com uma série de aspectos. Dentre eles estão: a eficiência, a performance, a segurança e o ROI. Em meio a tantas responsabilidades, não é raro que esses profissionais deixem de lado um fator muito importante: a quantidade de ruído acústico produzido por equipamento dentro da empresa.

Você quer pensar diferente? Então conheça a norma ISO 7779 e entenda a importância de controlar o ruído acústico, descobrindo como aplicar esse regulamento na prática. Vamos lá?

O que diz a norma ISO 7779

Existe alguma confusão no mercado sobre a diferença entre duas normas similares: ISO 9296 e ISO 7779. Isso porque a primeira é utilizada oficialmente para declarar ruído em equipamentos de TI na venda de hardware, mas não é, necessariamente, a utilizada para essa medição. Afinal, essa função é da ISO 7779 — norma criada pelo instituto de padrões, para definir métodos de medição e níveis aceitáveis de ruído acústico dentro de ambientes fechados.

Baseada no padrão ECMA-74, a ISO 7779 permite a avaliação de espaços corporativos — como escritórios e data centers — para determinar se os níveis de barulho podem ser potencialmente prejudiciais, apontando, assim, caminhos para uma resolução. Como o objetivo é medir o ruído em equipamentos de tecnologia da informação, a área de TI da empresa se torna diretamente responsável por esse processo. E mesmo que o objetivo não seja adquirir uma certificação, preocupar-se com essa ISO é uma forma de deixar o ambiente de trabalho mais saudável para os colaboradores e mais eficiente nos quesitos energia e manutenção.

Como o ruído no ambiente de trabalho afeta uma empresa

Se você trabalha há bastante tempo como profissional de TI, já deve saber qual é o impacto de um equipamento barulhento sobre uma pessoa que fica exposta a ele por longos períodos de tempo. Mas você já imaginou a dimensão dessa situação dentro de uma empresa? Existem duas questões principais que levam o excesso de ruído acústico a interferir diretamente na eficiência de uma empresa:

Comunicação

Os negócios estão investindo cada vez mais na comunicação por sistemas e em softwares gerenciadores de times. Porém, em muitas empresas a conversa presencial ainda é fundamental para a rotina — são colegas de departamento discutindo uma tarefa, reuniões para alinhar projetos e melhorar produtos, até conversas mais descontraídas para aliviar a tensão em momentos críticos de produção.

Quando as normas não são respeitadas, o ruído no escritório pode chegar a níveis preocupantes. Afinal, os colaboradores precisam falar mais alto para serem ouvidos, misturando discussões paralelas em um mesmo ambiente e tornando muito difícil a comunicação. Em consequência disso, a tendência é que os profissionais interajam menos, diminuindo as capacidades de inovação da empresa como um todo.

Produtividade

Seja no ponto da comunicação ou de qualquer ângulo que enxergamos a situação, o principal impacto de um ambiente ruidoso é a queda da produtividade. Afinal, isso não se deve apenas à dificuldade de interação entre trabalhadores. Vários estudos já comprovaram que um local de trabalho barulhento afeta a saúde de profissionais a longo prazo.

Essa redução na capacidade produtiva vem principalmente do estresse causado por equipamentos ruidosos. Afinal, eles diminuem a capacidade de tomada de decisões e a tranquilidade mental, impedindo que os funcionários realizem funções de diversos tipos. Isso quando o caso não é ainda pior e leva a danos físicos reais, como perda de audição. Nesse caso, a empresa demonstra não só uma ineficiência produtiva como negligência do bem-estar de seus colaboradores.

Como aplicar a ISO 7779 na sua empresa

Como dissemos, esse tipo de ruído acústico tem muito a ver com infraestrutura de TI e outros equipamentos eletrônicos. Ou seja, você pode ser a pessoa capaz de aplicar a norma ISO 7779 e melhorar a produtividade do negócio. Como fazer isso? Nós listamos algumas dicas para começar!

Faça medição de ruídos

O primeiro passo é buscar entender onde o ruído é mais prejudicial e quais são seus principais provocadores. Para isso, o ideal é sempre contratar uma empresa especializada, mas um medidor de decibéis ou até uma análise natural do ambiente podem dar uma boa ideia sobre o que pode ser melhorado.

Ouça a opinião de colaboradores

Muitas vezes um ruído não parece incomodar, até que você se exponha a ele por seis ou oito horas seguidas, por exemplo. Por isso, inclua todos os outros funcionários da empresa nessa pesquisa. Pergunte quais sons incomodam mais a longo prazo e como eles afetam o trabalho de cada um. Essa informação, junto à sua medição pontual pode enriquecer seu conhecimento sobre causas e consequências sonoras dentro do escritório.

Busque uma reconfiguração do espaço

Assim que você identificar quais são os principais culpados, é hora de solucionar ou minimizar o problema. Existem duas formas de fazer isso. Neste tópico, focamos na primeira. A reconfiguração de espaços, muitas vezes, é suficiente para diminuir níveis de ruído em um espaço.

Ações como retirar equipamentos eletrônicos desnecessários do ambiente, colocar estações de trabalho longe das fontes de ruído ou até abrir mais a janela, para precisar menos do ar condicionado, fazem grande diferença. Nesse caso, você não precisa de recursos, mas apenas do bom senso, planejamento de espaço e uma noção dos hardwares que realmente fazem a diferença para a produtividade da empresa.

Invista em equipamentos mais silenciosos

Em alguns momentos, não dá para solucionar o problema sem investir. Isso é especialmente verdade quando a empresa possui computadores mais antigos ou pouco eficientes. Nesse caso, o melhor a se fazer é procurar fornecedores de infraestrutura de TI que se preocupem com o tema, produzindo hardware que traga performance corporativa, sem abrir mão de ser silencioso. A busca por certificados ISO pode facilitar muito o seu trabalho nesse sentido.

Mesmo que você não busque utilizar diretamente a norma ISO 7779, ela oferece um bom guia para ir atrás de um ambiente de trabalho mais saudável e produtivo. Além disso, ouça seus colegas de trabalho, realize medições, encontre equipamentos que façam menos ruído e comece uma reformulação no espaço físico. Com essas simples ações, você pode fazer a diferença!

Se você quer saber mais sobre o assunto e descobrir como o certificado de declaração de emissão funciona, agora é hora de conhecer a ISO 9296 neste post!

Escreva um comentário

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.

Share This