Com um número cada vez maior de brasileiros acessando a internet por meio dos smartphones, muitos consumidores passaram a solucionar seus problemas do dia a dia com aplicativos mobile. Eles são usados para pagar contas, localizar prestadores de serviço, comprar produtos, pedir comida ou transporte, entre outras funcionalidades. Diante disso, muitos se questionam: “minha empresa precisa de app? Vale a pena investir nesse canal?”

Se você também tem essas dúvidas, este post o ajudará a saná-las. Falaremos sobre algumas considerações importantes antes de tomar essa decisão, destacaremos quais são as principais vantagens que um aplicativo proporciona a um negócio e apontaremos que tipo de retorno o gestor pode esperar. Confira todas essas informações a seguir!

Como identificar se minha empresa precisa de app?

Algumas empresas consideram o desenvolvimento de um app próprio pouco vantajoso. Afinal, elas entendem que o cliente tem o mesmo acesso aos seus produtos pela web e que o retorno é baixo quando comparado ao investimento realizado. Talvez isso aconteça quando a ferramenta é criada sem uma avaliação mais atenta. Por isso, selecionamos alguns critérios que podem ser analisados antes de aderir a esse recurso.

1. Quem é meu público-alvo?

Antes de investir em um aplicativo, a empresa precisa analisar se seu público-alvo utiliza esse tipo de plataforma com frequência ou se é resistente a ela. Jovens e adultos aderem aos apps com maior facilidade, pois já têm uma mentalidade mais aberta ao omnichannel. Porém, pessoas de uma faixa etária mais avançada tendem a ter menos interesse.

2. Qual é o tipo de empreendimento?

Para alguns tipos de empreendimento, o desenvolvimento de um aplicativo próprio é uma necessidade imperativa. Podemos citar os bancos, planos de saúde, instituições de ensino ou e-commerces. Como veremos no próximo item, esses negócios podem utilizar o app como forma de otimizar e automatizar processos internos, além de prover um atendimento de melhor qualidade e reduzir custos.

Em outras empresas, essa necessidade não é tão urgente. O aplicativo pode ser interessante para fortalecer a marca e o relacionamento com os clientes, mas seus processos não serão afetados ao optar ou não pelo desenvolvimento da ferramenta. Nesses casos, é interessante avaliar se o app seria útil para seu grupo de consumidores e que tipo de impacto traria para sua fidelização.

3. Como esse app pode otimizar processos dentro do negócio?

Algumas empresas precisam disponibilizar uma série de recursos de atendimento para seus consumidores. Esse é o caso de instituições de ensino, que recebem pedidos de informação, emissão de boletos, precisam enviar relatórios de desempenho de alunos, efetuar matrícula, entre outros. Os planos de saúde também são procurados pelos usuários — pacientes e rede credenciada — para uma série de procedimentos burocráticos, como liberação de exames, busca de profissionais conveniados, notificação de prestação de serviço etc.

Embora tenhamos citado apenas esses dois exemplos, muitas empresas têm que manter uma estrutura enorme para prestar informações, organizar pagamentos, realizar agendamentos, confirmações e cobranças ou satisfazer requisitos burocráticos. Essas tarefas consomem horas de trabalho de seus funcionários, além de custos com a utilização de linhas telefônicas. Dependendo do perfil do seu público, esses processos podem ser otimizados com um app corporativo.

4. Qual é a utilidade do aplicativo para os usuários?

A resposta dessa pergunta determina o grau de interesse que seu público terá pelo aplicativo e, consequentemente, a expectativa de downloads e engajamento. Como já dissemos, os apps ocupam uma parte da memória dos equipamentos. Por isso, para que o usuário se sinta motivado a baixá-lo, ele precisa apresentar algumas vantagens em relação ao atendimento por meio de outros canais, proporcionando uma boa experiência ao cliente.

Analise muito bem o negócio, consulte especialistas e descubra quais são as funcionalidades que atrairão seu público para a ferramenta. Se a sua empresa é um e-commerce, pense em produtos exclusivos, lançamentos antecipados no app ou descontos por fidelidade. Coloque-se no lugar de seus consumidores e idealize um aplicativo que atenda às necessidades deles.

5. Qual é o custo para desenvolvê-lo?

É importante destacar que o desenvolvimento de um app para o negócio é um investimento. Portanto, é natural que a empresa espere um retorno. Calcule-o analisando se a ferramenta será utilizada para vender produtos, gerando um faturamento direto, ou se ela será um meio para divulgar a marca, patrociná-la e desenvolver um relacionamento com os clientes. Nessa situação, é preciso considerar a geração indireta de receita.

6. Que outras vantagens o app traz para o meu negócio?

Além dessas questões, o app pode trazer ainda outras vantagens, de acordo com o segmento de atuação da empresa e suas características. Vamos citar, por exemplo, uma rede de franquias. Em sua propaganda, esse negócio sempre destaca sua grande capilaridade — ou seja, o consumidor pode encontrar uma unidade ou representante perto de sua residência ou local de trabalho.

Nesses casos, além de unificar a forma de atendimento e uniformizar a imagem da marca, o app facilita muito a vida do consumidor. Ele não precisa entrar na internet e buscar um representante próximo cada vez que for utilizar o serviço. A própria geolocalização ou CEP indicam a unidade mais adequada e permite o agendamento, de acordo com suas necessidades.

Se esses critérios retratam a realidade da sua empresa e o perfil do seu público-alvo, esse é um bom indicativo. Provavelmente, as chances de obter uma série de vantagens com o app são grandes, especialmente se depois de fazer um benchmarking, você percebeu que sua concorrência já está se mobilizando nessa direção. Ele pode ser uma ferramenta útil para atrair e fidelizar clientes, bem como para facilitar o atendimento, reduzir custos e agilizar processos.

Que benefícios minha empresa pode ter com um aplicativo?

Quando a empresa faz essa análise criteriosa e chega à conclusão de que um aplicativo pode contribuir para impulsionar o negócio, é possível obter os seguintes benefícios:

  • notoriedade e prestígio: se até pouco tempo atrás se falava em presença digital, hoje ela envolve diversos canais. Um aplicativo é mais uma maneira de “marcar o território” da empresa no mercado e se destacar da concorrência;
  • fidelização de clientes: o aplicativo facilita a manutenção do relacionamento com os consumidores, proporcionando novas oportunidades de negócio e, consequentemente, o aumento do LTV (lifetime value);
  • agilização do atendimento: o app facilita a comunicação e agiliza as demandas, melhorando a customer experience. Dessa forma, a marca satisfaz seus clientes;
  • maior divulgação: clientes satisfeitos divulgam a marca. Portanto, se o usuário tem sua experiência melhorada com o aplicativo, ele compartilhará essa percepção com seu círculo de convivência;
  • credibilidade: a empresa que conta com esse canal desperta uma percepção de profissionalismo e seriedade no mercado, o que a destaca de seus concorrentes.

Finalmente, a lista de benefícios é imensa e tende a aumentar à medida que os consumidores se tornam mais conectados e adeptos de canais de comunicação virtuais. Assim, para saber se a empresa precisa de app o gestor deve avaliar qual é a posição que ele deseja que seu negócio ocupe em uma sociedade cada vez mais digital, onde ferramentas como essas serão o método mais comum de interação.

Gostou do post? Achou interessante? Que tal compartilhar nas suas redes sociais e pedir para seus contatos darem a opinião deles a respeito do tema? Essa já pode ser uma pesquisa interessante para avaliar como consumidores reais veem as empresas que utilizam esse recurso!

Escreva um comentário

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.

Share This