Uma nova leva de empresas surgiu no mercado nos últimos tempos. Diferentes das organizações tradicionais, elas geralmente utilizam tecnologia, modelos diferenciados e atendem aos seus nichos com muita inovação. Com origens completamente inusitadas, muitas delas se descuidam de um elemento essencial — um plano de negócios de startups.

E a sua startup, já definiu um plano de negócios? Será que ele precisa ter os mesmos elementos que aqueles estabelecidos pelas empresas tradicionais? Como criar um planejamento para um modelo de negócios totalmente novo que, muitas vezes, não tem nenhum parâmetro de comparação com o mercado?

Se você também tem essas dúvidas, não perca este post. Vamos explicar o que não pode faltar no plano de negócios de startups para conduzi-la de um surgimento modesto a um crescimento exponencial. Confira!

A importância do plano de negócios para startups

Em primeiro lugar, precisamos destacar que sim, a startup precisa de um plano de negócios. Ele não precisa ser tão detalhado quanto aquele que as empresas tradicionais fazem, já que seus resultados são muito mais imprevisíveis.

No entanto, é importante que seus fundadores tenham uma ideia do mercado que vão encontrar. Além disso, é preciso tornar a proposta da nova empresa explícita, garantindo que todos os envolvidos estejam alinhados aos mesmos objetivos.

Por isso, é preciso criar um plano de negócios com alguns elementos essenciais. Eles ajudarão a dar um rumo para o negócio emergente, ajudando seus gestores a elaborar ações e avaliar iniciativas e investimentos conforme sua relevância para o propósito do empreendimento.

Elementos essenciais do plano de negócios de startup

Esses são os elementos que não podem faltar no seu plano de negócios. Alguns deles dependem do seu sonho e sua ideia. Para outros será necessário realizar uma boa pesquisa. Mas essas informações são úteis para o empreendimento decolar:

Propósito

Qual é o seu sonho, a sua visão para o negócio? Afinal, qual é a diferença que ele deve fazer na vida das pessoas? Esse é o primeiro passo para dar origem a uma empresa de sucesso.

Enquanto alguns especialistas dizem que sua declaração de propósito não deve passar de uma frase, outros defendem um modelo mais extenso, como o de Geoffrey Moore. O fato é que é importante definir o que pretendem fazer como é diferente do que outras empresas já oferecem.

Público-alvo

O sucesso nos negócios depende mais de saber sobre o outro do que sobre a sua própria empresa. Mesmo que um empreendedor considere sua ideia espetacular, ela só encontrará algum tipo de eco se atender necessidades do público-alvo.

Portanto, é essencial conhecer quem são as pessoas que provavelmente usarão seus serviços e produto. É preciso entender seus hábitos, necessidades e expectativas e, se for preciso, adaptar suas ideias para que elas encontrem a aceitação devida.

Acredite: é mais fácil mudar o seu produto do que mudar o comportamento do consumidor como um todo. Muitos empreendedores já fracassaram porque insistiram em oferecer algo que seu público não considerou valioso ou relevante.

Problemas que serão solucionados

Baseado em seu estudo do público-alvo, identifique quais são os problemas deste grupo que podem ser solucionados por meio do seu produto ou serviço. Essa é a chave para descobrir oportunidades de se destacar e conquistar o mercado.

Ouça, entreviste, faça pesquisas. Descubra quais são as atuais insatisfações dos consumidores e pense em maneiras de preencher essas lacunas. Afinal, as pessoas não estão interessadas em comprar seus produtos — o que elas realmente desejam é uma solução para seus próprios problemas.

Porém, faça uma descrição realista. Coloque no papel apenas os problemas que seu produto efetivamente podem resolver. Não crie expectativas que não serão plenamente atendidas com a aquisição ou contratação pelo cliente para não perder a credibilidade.

Análise da concorrência

Quem você vai enfrentar no mercado? Sua empresa se propõe a atender uma necessidade do seu público-alvo, mas quem já faz isso atualmente? É importante conhecer este cenário para se preparar para superá-los.

Ao analisar sua concorrência, considere os seguintes aspectos:

  • necessidades do público-alvo que eles não conseguem (ou não se dispõem) a atender: se a sua empresa tiver a solução para elas, encontrará o caminho livre;
  • necessidades parcialmente atendidas: se o seu negócio oferecer a solução completa, será mais fácil conquistar seu público-alvo;
  • necessidades atendidas: esta categoria deve levá-lo a uma reflexão dupla — identifique em que aspectos a concorrência não deixa seu público satisfeito e preencha esta lacuna com seu serviço. Pense em maneiras de superar os aspectos em que eles já estão plenamente satisfeitos e melhorar a experiência do cliente.

Em resumo: seu negócio precisa oferecer o que o mercado não oferece e superar seus concorrentes naquilo que eles já fazem. É um tremendo desafio, mas que pode ser vencido com determinação e inovação.

Aqui chegamos também a um ponto crítico: ao avaliar sua concorrência, talvez perceba que sua ideia não é tão inovadora. É possível que você descubra que outras empresas já estão oferecendo algo idêntico ao seu projeto.

Nesse caso, a alternativa é a nova abordagem para um velho problema. Supere seus concorrentes pela qualidade ou facilidades que oferece aos clientes.

Principais KPIs

Você já parou para pensar o que é sucesso? Se essa avaliação não for feita com base em métricas, ela se apoiará em conceitos muito subjetivos, que podem variar de pessoa para pessoa e fazer a empresa chegar a lugar nenhum.

Por isso é fundamental basear as análises em indicadores-chave de performance ou KPIs, da sigla em inglês. O raciocínio é simples: o que pode ser medido, pode ser melhorado — e o aperfeiçoamento contínuo é o segredo para conquistar o mercado.

Vocês podem utilizar taxas de satisfação do cliente, aumento de vendas, ticket médio e o valor pelo tempo de vida do cliente (LTV). Há muitas opções para avaliar uma série de aspectos da empresa.

Inovações

Além da inovação no modelo de negócio, os gestores precisam ficar de olho em tecnologias que podem facilitar o funcionamento, otimizar processos, automatizar tarefas e proporcionar a satisfação do cliente.

O investimento correto em tecnologia é um dos principais meios para alcançar a escalabilidade. As startups costumam recorrer a essas inovações para oferecer serviços ágeis sem precisar estabelecer uma grande estrutura física e humana para operar.

Portanto, a tecnologia permite que a empresa aumente seu número de clientes e faturamento sem elevar significativamente seus custos. Se a máquina consegue executar as tarefas não será necessário ter uma folha de pagamento pesada ou arcar com as despesas de um prédio enorme para acomodar um grande número de pessoas.

Recursos

Embora as startups costumem crescer muito rápido, é importante que elas tenham uma reserva financeira para se sustentar até que comecem a gerar lucro e tragam o devido retorno ao investimento.

É fundamental que seus gestores tenham um planejamento dos recursos humanos e financeiros que serão necessários até esse ponto de equilíbrio.

Pronto! Com esses elementos você conseguirá construir um plano de negócios de startups imbatível! Depois é só garantir a qualidade dos serviços e se preparar para conquistar o mercado e alcançar o sucesso.

Ficou empolgado e quer saber como as startups podem fazer a gestão da inovação? Nosso blog tem a resposta! Confira no post!

Escreva um comentário

CADASTRE-SE PARA FICAR POR
DENTRO DAS NOVIDADES DA POSITIVO.

Share This