Fim do Adobe Flash Player: saiba o que muda na internet sem ele

O ano de 2020 não vai deixar saudade para muita gente, mas o final dele marca também o encerramento de uma história de 24 anos na internet: o Adobe Flash Player.

O software criado nos anos 90 de Macromedia, adquirida posteriormente pela Adobe, virou sinônimo de reprodução de mídia na web. Vídeos, jogos e animações são apenas alguns dos exemplos que o formato é capaz de reproduzir. Dia 31 de dezembro de 2020 oficialmente ele terá o seu funcionamento suspenso.

Adobe Flash Player: uma morte anunciada

A descontinuidade do Adobe Flash Player foi anunciada em 2017 pela empresa. Segundo a companhia, a decisão foi tomada porque outras ferramentas acabaram substituindo o Flash em páginas web, como HMTL5, WebAssembly e WebGL.
No passado, o Flash funcionou como uma espécie de plugin para navegadores como Google Chrome, Mozilla Firefox e Internet Explorer, permitindo que eles reproduzissem conteúdo multimídia sem a necessidade de download ou de outros softwares específicos. Jogos em Flash marcaram uma geração e forma um grande sucesso na web no início dos anos 2000.
Nos últimos anos, a Adobe encorajou os desenvolvedores a migrarem seus softwares para que eles pudessem ser compatíveis com outras ferramentas. Nem todos os webmasters fizeram isso, de maneira que é bem provável que no próximo dia 1º de janeiro possamos ver muitas páginas que não são atualizadas há tempo exibindo mensagens de erro.
Além do fim do suporte à plataforma e de encerrar a compatibilidade do serviço com esse tipo conteúdo, a partir de 12 de janeiro a empresa prometeu bloquear qualquer conteúdo que ainda reste, como medida de segurança.

Sucesso do mobile “matou” o Flash


O sucesso do Adobe Flash no início dos anos 2000 foi interrompido com a chegada dos smartphones. As versões mobile dos navegadores eram incompatíveis com a tecnologia devido ao fato de que o carregamento dessas informações era considerado “pesado”, consumindo muita bateria para execução.
Já no PC, a principal reclamação por parte dos desenvolvedores era com relação à segurança. Falhas eram reportadas com muita frequência e, em um período de 14 anos, a Adobe precisou intervir com 292 correções na plataforma. Pela vulnerabilidade que oferecia, muitos desenvolvedores desistiram de usar a tecnologia, colocando o futuro do Flash em xeque.
Como hoje a maior parte dos acessos à internet ocorrem a partir de um smartphone, os pontos negativos da plataforma se tornaram um limitador cada vez mais relevante.
Atualmente, o HTML5 é considerado o principal substituto do Flash. Ele permite a manipulação de arquivos de áudio e vídeos com mais facilidade, dispensando o uso de plugins. Essa é a tecnologia empregada em serviços de streaming, como o YouTube.
Já em termos de layout e design web, os recursos em Flash foram substituídos pelo CSS e pelo Adobe Animate. Até mesmo a linguagem de programação JavaScript é capaz de gerar informação audiovisual, sendo inclusive utilizada em smartphones.

VOCÊ TAMBÈM PODE GOSTAR
Logo do Copilot.

Copilot: como funciona a nova IA da Microsoft

Cookies de chocolate sobre uma superfície laranja.

O que são cookies e para que servem?

Carregador de celular sobre uma superfície laranja.

9 cuidados para seu carregador durar mais

Mulher usando o celular para ajudá-la a preparar um prato.

7 apps para você aprender a cozinhar

Mulher ouvindo música em fones de ouvido bluetooth.

Cuidados com fones de ouvido bluetooth

Mulher deitada no sofá assistindo os lançamentos da Netflix em seu tablet.

Confira os principais lançamentos da Netflix para Abril de 2024

Inscreva-se na nossa

Newsletter


    Ao clicar em “enviar” a Positivo Tecnologia tratará os seus dados de acordo com a Política de Privacidade e Cookies.