Projeto de caça da Boeing fará percurso Brasil-Japão em apenas 3 horas

Imagine se você pudesse ter a oportunidade de entrar em um avião às 9h em São Paulo e por volta de 12h desembarcar em Tóquio, no Japão. Pode parecer uma ideia saída da ficção científica, mas segundo a Boeing ela pode sim se tornar realidade. Pesquisadores da empresa estudam a fabricação de um caça da Boeing que iria do Brasil ao Japão em apenas 3 horas.

O novo hipersônico seria capaz de alcançar a impressionante velocidade de 6.120 km/h, o equivalente a cinco vezes a velocidade do som. Porém, até que a ideia saia do papel e se torne realidade teremos que esperar um bom tempo: a empresa prevê um prazo entre 10 e 20 anos para que o caça hipersônico se torne viável.

Da teoria à prática: um longo caminho

A fabricante norte-americana afirma que, em teoria, o trajeto entre Brasil e Japão poderia ser feto em 3 horas. Na prática, no entanto, pode não ser assim. Isso porque embora ele pudesse atingir picos de velocidade supersônica como a que mencionamos acima, ele não seria capaz de manter esse ritmo de forma constante.

De qualquer forma, o avanço é tão significativo a ponto de ser considerado o maior da história da aviação, caso o projeto se torne realidade. Para se ter uma ideia, hoje uma viagem entre Brasil e Japão, com paradas, é concluída em cerca de 23 horas, com aviões voando a uma velocidade média de 800 km/h.

®GIPHY

Aeronave seria usada primeiro em missões de segurança

Embora a possibilidade de fazer uma viagem como essa seja muito tentadora, deve demorar ainda mais para que passageiros comuns, como eu e você, possam utilizar um hipersônico. Isso porque o projeto, que foi apresentado no fórum do Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica, deve ser primeiramente usado em missões militares.

A primeira versão operacional, segundo a empresa, servirá para fins de inteligência, vigilância, reconhecimento e missões de ataque. Enquanto esse dia não chega, o foco do projeto da empresa recai sobre as melhorias possíveis nos motores e no redesenho aerodinâmico, necessário para alcançar velocidades como essas.

“As asas e as caudas terão bordas de ataque que avançarão em direção ao trecho traseiro do veículo em ângulos relativamente grandes”, revelou a Boeing em comunicado oficial. Os motores também precisarão de adaptações: um novo sistema de funcionamento, chamado ciclo combinado baseado em turbina (TBCC) está em estudo.

O que falta para o projeto se tornar realidade?

Embora o projeto apresentado pela Boeing seja bastante completo e, aparentemente viável, o desenvolvimento do hipersônico ainda não tem data para começar. O motivo é simples: a empresa não tem dinheiro para viabilizar o projeto e algumas das tecnologias necessárias para o seu funcionamento ainda estão em desenvolvimento.

®GIPHY

A empresa afirma que busca parceiros interessados em tornar realidade essa iniciativa e admite que não há previsão de quando isso pode acontecer. Por conta disso, a Boeing também não fixa no horizonte uma data de quando isso poderá acontecer, indicando que seria preciso pelo menos 10 a 20 anos para que o projeto se tornasse realidade.

O valor do desenvolvimento de um projeto como esse também não foi revelado pela empresa. O último projeto similar desenvolvido pela companhia foi o do X-51 Waverider, que atingiu a marca de 5,1 vezes a velocidade do som (exatos 6.242 km/h), mas seu voo de exibição durou apenas 3,5 minutos e o avião não-tripulado caiu no mar por falta de combustível.

Fonte(s): Todos a Bordo

VOCÊ TAMBÈM PODE GOSTAR
Bateria carregada em 3D.

Indicador de saúde da bateria pode chegar ao Android

Mulher contando segredo sobre os mitos da tecnolgia que todo mundo já caiu.

6 mitos sobre tecnologia que muita gente já caiu

Logo do Google Gemini.

Gemini: o que é e como usar a IA do Google

Teclado de um notebook em 3D com uma tecla com um ponto de interrogação, expressando a dúvida entre instalar Linux ou Windows.

Linux ou Windows: compare os recursos dos sistemas para PC

Crianças em uma sala de aula moderna e usando tecnologia.

Como a tecnologia melhora o processo de aprendizagem escolar?

Satélites em órbita ao redor da Terra.

Primeiros satélites que fornecem rede a celulares são lançados pela Starlink

Inscreva-se na nossa

Newsletter


    Ao clicar em “enviar” a Positivo Tecnologia tratará os seus dados de acordo com a Política de Privacidade e Cookies.