Nova técnica a laser pode deixar computadores até um milhão de vezes mais velozes

Uma nova técnica a laser promete deixar os computadores mais rápidos de forma muito significativa. Trata-se de um estudo que vem sendo realizado por pesquisadores das universidades de Ratisbona, na Alemanha, e Michigan, nos Estados Unidos.

A tecnologia em questão usa elementos de computação quântica para mudar o estado de elétrons em frequências até um milhão de vezes mais velozes do que as utilizadas nos sistemas eletrônicos atuais.

Com isso, a capacidade de processamento das máquinas que contarem com essa tecnologia, em tese, pode ser multiplicada em várias vezes.

®GIPHY

Entendendo o que é computação quântica

Antes de compreender como funciona exatamente essa nova técnica, é importante que você tenha alguns conhecimentos gerais sobre o que é a computação quântica. O segredo da maior capacidade de processamento que essas máquinas são capazes de oferecer está na chamada superposição.

Falamos aqui de um fenômeno da Física Quântica que permite que cada partícula assuma múltiplos estados de forma simultânea, o que é diferente do atual 0 e 1 que estamos acostumados no sistema binário.

Por essa razão, um computador quântico tem a capacidade de analisar bilhões de possibilidades ao mesmo tempo. Porém, se a ideia é tão boa, porque ainda não temos computadores quânticos espalhados por aí?

®IBM

Simples, porque eles ainda estão em fase de protótipo e o seu custo é alto e para que essas máquinas funcionem é preciso que sejam mantidas em condições específicas de temperatura: no caso, -273º Celsius, uma temperatura pouco acima do chamado “zero absoluto”.

Outro empecilho é que essas máquinas precisam ser montadas em espaços diferenciados, onde não haja vibrações capazes de desalinhar os átomos.

Por que a nova técnica é tão revolucionária?

O experimento realizado em parceria entre as duas universidades envolveu a aplicação de um raio laser infravermelho sobre uma camada de material semicondutor, um item similar ao que é usado na indústria hoje em dia.

Por essa razão, os pesquisadores acreditam que esse conceito possa ser aplicado para confeccionar máquinas portáteis, uma das limitações que havíamos mencionado anteriormente.

Outros aspectos importantes incluem a baixa espessura e, principalmente, a habilidade de funcionamento em temperatura ambiente.

®PHYSORG

Deixando de lado alguns dos principais desafios da computação quântica, a expectativa dos pesquisadores é que esse sistema possa ser reproduzido em larga escala, com um custo mais baixo e, portanto, gerando equipamentos mais acessíveis.

No entanto, até que isso ocorra deve demorar um bom tempo, pois o projeto está em fase de testes.

A viabilidade do projeto ainda não foi comprovada, mas o estudo divulgado pela Physorg indica que esse pode ser um caminho interessante para a indústria seguir. Não há previsão de quando o projeto será concluído, mas ao que tudo indica há pelo menos mais cinco anos de estudos pela frente.

Fonte(s): Physorg

VOCÊ TAMBÈM PODE GOSTAR
Bateria carregada em 3D.

Indicador de saúde da bateria pode chegar ao Android

Mulher contando segredo sobre os mitos da tecnolgia que todo mundo já caiu.

6 mitos sobre tecnologia que muita gente já caiu

Logo do Google Gemini.

Gemini: o que é e como usar a IA do Google

Teclado de um notebook em 3D com uma tecla com um ponto de interrogação, expressando a dúvida entre instalar Linux ou Windows.

Linux ou Windows: compare os recursos dos sistemas para PC

Crianças em uma sala de aula moderna e usando tecnologia.

Como a tecnologia melhora o processo de aprendizagem escolar?

Satélites em órbita ao redor da Terra.

Primeiros satélites que fornecem rede a celulares são lançados pela Starlink

Inscreva-se na nossa

Newsletter


    Ao clicar em “enviar” a Positivo Tecnologia tratará os seus dados de acordo com a Política de Privacidade e Cookies.