Você viu? Governo brasileiro quer colocar classificação etária em vídeos do YouTube e outras plataformas

O governo brasileiro está estudando uma forma de classificação etária no YouTube e outras plataformas de vídeo online. A informação foi publicada pelo jornal O Globo no final do mês de abril e, se houver um consenso, a proposta seria similar ao que já acontece nos conteúdos para televisão, cinema, serviços de streaming como Netflix e jogos de vídeo game.

O assunto veio à tona em um encontro que reuniu representantes do Ministério da Justiça, do Ministério Público, membros da sociedade civil e especialistas do setor. A ideia, segundo a apuração do jornal, é proteger as crianças da exposição a conteúdos nocivos a determinadas faixas etárias, dando um indicativo para os pais e responsáveis sobre a adequação ou não das exibições dos vídeos para as crianças.

Nesse caso, a maior preocupação recai sobre o conteúdo produzido pelos youtubers que, em sua maioria, é consumido por crianças e adolescentes. Contudo, detalhes com relação a como essa classificação etária poderia funcionar ainda são incertos, pois ainda não foi encontrada uma forma ideal de se fazer isso.

®GIPHY

Viabilidade de avaliação pode ser um entrave

O grande empecilho para se adotar uma classificação etária nos vídeos do YouTube é a forma de avaliação. Hoje, os conteúdos que estão submetidos a essa regra passam por uma avaliação da Secretaria Nacional de Justiça. Essa avaliação é realizada por uma equipe multidisciplinar, composta por advogados, professores, psicólogos e especialistas de outras áreas.

Já no caso do YouTube, onde a prerrogativa de publicação do conteúdo cabe aos próprios usuários, seria praticamente impossível adotar o mesmo formato, dado o volume de conteúdo publicado e a necessidade de velocidade nas postagens.

Um novo encontro para o debate desse assunto está em vias de ser agendado. Ele deve ocorrer na Universidade de Brasília, mas não há previsão de quando ele poderá ocorrer. “A ideia é reunir os subsídios para fortalecer a política de Classificação Indicativa no Brasil”, explica Luiz Pontel de Souza, Secretário Nacional de Justiça.

“Quem cria conteúdo para crianças e adolescentes tem uma responsabilidade social”, defende Regina de Assis, doutora em Educação pela Universidade de Harvard. “Os pais precisam ganhar consciência de que ver conteúdo audiovisual na internet não é igual a ver na TV. Não se pode deixar os filhos soltos na rede, nem proibir”, acrescenta o psicanalista Pedro de Santi, também ouvido pela reportagem de O Globo.

Alguns canais adotam políticas como essa, mas não há nenhum tipo de obrigatoriedade ou regra padronizada. Em uma parceria entre o YouTube e a Vevo com gravadoras como Warner, Universal e Sony, os videoclipes musicais produzidos por essas empresas contam com um selo de classificação etária. O acordo foi firmado no Reino Unido em 2014.

O que você pensa sobre esse tema? Acredita que faz sentido?

Fonte(s): Info Money

VOCÊ TAMBÈM PODE GOSTAR
Mulher sorrindo e trabalhando com um notebook Positivo.

Como formatar notebook Positivo?

Vários teclados em uma lixeira.

Como descartar lixo eletrônico corretamente?

Mulher trabalhando no modelo home office na sala de sua casa.

Como escolher os equipamentos para home office?

lente de aumento sobre o título Google Tradutor aberto em um navegador da internet

10 truques do Google Tradutor que vão facilitar a sua vida

Mulher no banco de trás de um carro com o seu cachorro usando o novo serviço Uber Pet.

Uber Pet: descubra como usar para transportar seu animal de estimação

mulher tirando foto pelo smartphone

26 dicas para tirar boas fotos com o celular

Inscreva-se na nossa

Newsletter


    Ao clicar em “enviar” a Positivo Tecnologia tratará os seus dados de acordo com a Política de Privacidade e Cookies.