Positivo do seu jeito

Dicas

Como funciona o modo de navegação anônimo?

26 de Fevereiro de 2020

por: MKT Positivo

Como se fosse um passe de mágica, basta pressionar um botão no navegador para que uma nova aba seja aberta em modo anônimo e seus dados não sejam registrados. Porém, você já se perguntou como funciona o modo de navegação anônimo e como ele é possível?

O que talvez nem todos saibam é que esse recurso tem as suas limitações. E, embora você pare de ver anúncios relacionados aos seus interesses, eles ainda estarão lá, mas de forma mais imprecisa e talvez menos interessante. Neste artigo, vamos entender o que o modo de navegação faz por você.

Privacidade x proteção: entenda a diferença

Quando navegamos em modo anônimo estamos protegendo a nossa privacidade online, evitando que outros usuários possam coletar dados sobre as nossas buscas. Porém, isso não significa que sites, redes de anúncios e mesmo os provedores de internet não possam, de alguma forma, ter acesso a essas informações.

Em outras palavras, você pode até conseguir se proteger de um website que deseja instalar cookies no seu navegador para “segui-lo” por um período e, nesse tempo, oferecer anúncios. Entretanto, mesmo navegando anonimamente isso não impede o Google ou o Facebook de oferecer anúncios a você, ainda que de forma menos precisa.

Quando falamos das diferenças entre “privacidade” e “proteção” é justamente essa a diferença. Sem sombra de dúvidas, ao navegar anonimamente você está mais protegido do que navegando normalmente, mas com relação à privacidade, a menos que você use mecanismos como o Tor, ainda haverá como os provedores rastrearem sua navegação e descobrirem por onde você andou.

O que acontece quando você navega anonimamente?

Basicamente, você se torna um usuário “anônimo” aos olhos do Google – se estivermos falando do Google Chrome, é claro. Nesse caso, o browser deixar de registrar o seu histórico de páginas visitadas, não armazena cookies e dados das páginas visitadas e não completa automaticamente dados inseridos em formulários.

Embora exista um lado positivo nisso, há também uma contrapartida ruim. Sem as URLs salvas, talvez você não consiga mais encontrar uma página que visitou um dia; sem certos cookies gravados, algumas páginas podem demorar mais para carregar; e sem dados salvos em formulários, pode ser que alguma senha de um serviço pouco utilizado se perca completamente.

Além disso, esteja ciente de que os sites que você visita continuarão podendo rastrear a sua atividade, mas sem acompanhá-lo depois que você deixa a página. Da mesma forma, se você acessa sites não permitidos no trabalho em modo anônimo, um administrador de rede ainda assim poderá descobrir o que foi acessado. Por fim, os provedores de acesso continuarão a ter acesso a essas informações, se assim eles desejarem.

Anônimo, mas nem tanto

A palavra “anônimo” certamente não é a melhor opção para descrever o que esse modo conhecido faz. Tanto é que o Google o chama hoje em dia de “navegar como Convidado”. Para navegar de forma completamente anônima é preciso recorrer a VPNs e a serviços como o Tor, que roteiam a comunicação que passa pelos intermediários.

Em outras palavras, tenha em mente que na internet “anonimidade” é mesmo algo muito raro e dificilmente você conseguirá navegar dessa forma de maneira plena. Porém, é possível sim aumentar o seu nível de privacidade e experimentar um comportamento menos invasivo por parte dos serviços, se assim você desejar.

Fonte: Howstuffworks